Origem e alteração no pensamento antropológico de Rousseau

Philósophos - Revista de Filosofia 26 (1) (2021)
  Copy   BIBTEX

Abstract

A diversificação física e cultural humana pode ser lida na antropologia de Rousseau a partir da ideia da degenerescência e do afastamento de uma natureza originária, mas também pode ser encarada em chave positiva como a afirmação da variedade humana, independente de uma referência a um modelo originário. Assim, o pensamento antropológico de Rousseau transita entre dois polos distintos e igualmente válidos: o julgamento histórico e o saber etnográfico. Se o primeiro apoia-se em um modelo único e originário de ser humano que paulatina e historicamente se degeneraria, corrompendo-se; o último multiplica as origens de modo a afirmar positivamente as diferenças, explicando-as enquanto tais. Um se constitui em escala de medida, outro em antídoto contra o etnocentrismo. O objetivo maior deste texto consiste em apresentar sobretudo o último polo. Nele, a diversidade física e cultural se afirma enquanto tal, sem que haja a necessidade de se atribuir prêmios de preservação de uma maior pureza a esta ou aquela sociedade localizada num ponto determinado do tempo e do espaço. A diversidade indicaria não mais uma corrupção, mas sim os vários caminhos assumidos e tomados pelos grupos humanos de acordo com os tempos e as circunstâncias vivenciados.

Links

PhilArchive



    Upload a copy of this work     Papers currently archived: 76,419

External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server

Through your library

Similar books and articles

A noção de cidade no pensamento de Rousseau.Jacira De Freitas - 2018 - Philósophos - Revista de Filosofia 23 (2).
Devaneio e educação.Vagner da Silva - 2012 - Filosofia E Educação 4 (2):100-124.
Para a Colocação do Pensamento Político Antropológico de Rousseau no seu Verdadeiro Trajecto.João Gouveia - 2019 - Philosophica: International Journal for the History of Philosophy 27 (53):37-50.
Rousseau E Nietzsche: De como a ideia de natureza estabelece O devir.Lucia Schneider Hardt - 2012 - Cadernos de Ética E Filosofia Política 21:207-218.
Imaginação E loucura: Os diálogos de Rousseau.Jacira Freitas - 2012 - Cadernos de Ética E Filosofia Política 21:193-206.

Analytics

Added to PP
2022-04-08

Downloads
2 (#1,402,744)

6 months
2 (#300,644)

Historical graph of downloads
How can I increase my downloads?

Citations of this work

No citations found.

Add more citations

References found in this work

No references found.

Add more references